top of page

A IGREJA DE ROMA E A COMUNHÃO UNIVERSAL

Parte I Ludwig Hertling em “Communio” e a Igreja Romana

O sistema da ‘Communio’, como nós a vemos na antiguidade, aparece a princípio não permitir que qualquer igreja seja subordinada ou superior a outra igreja. De fato, em certas circunstâncias, cada bispo poderia presumir expressar a vontade da Igreja universal. Cada bispo poderia excomungar qualquer outro bispo e, assim, separá-lo da comunhão universal. Dentro do ‘Communio’ todos são iguais. Ninguém tem direitos ou poderes que os outros não possuem no mesmo grau. À primeira vista, portanto, o sistema de ‘communio’ parece excluir qualquer prerrogativa especial para a Sé de Roma. No final do segundo século, podemos observar a formação inicial de grupos metropolitanos entre os bispos da mesma província civil. Os primeiros vestígios disso são os sínodos que Victor de Roma chamou pouco antes de 200 dC, em uma tentativa de resolver a controvérsia sobre a celebração da Páscoa. Nesta ocasião, a futura sé metropolitana se faz aparecer em algumas regiões. No século IV, as províncias eclesiásticas organizadas, como foram chamadas mais tarde, estavam totalmente desenvolvidas. Estudos históricos que tratam esse desenvolvimento, até a instituição dos patriarcados, invariavelmente levam à conclusão negativa de que a primazia da igreja romana não era um produto desse processo de organização. Não era o caso que a hierarquia da Igreja cresceu como uma pirâmide, com o bispo de Roma no ápice sobre bispos, metropolitanos, primados e patriarcas. Pelo contrário, o superdesenvolvimento do sistema metropolitano fez obscurecer, por um tempo e até certo ponto, as prerrogativas da Sé romana. No entanto, pelo menos a partir do século V ou VI, essas prerrogativas romanas são um fato inegável. Uma vez que eles não surgiram fora das organizações metropolitanas, devemos procurar outro lugar para a sua origem. Era realmente verdadeiro que a concepção primitiva da ‘communio’ eclesial não deixou nenhum espaço para a primazia romana? Veremos que o antiga ‘communio’ não só tinha um lugar para a primazia romana, mas que tal sistema em si levou à primazia de Roma por necessidade lógica. Para um bispo mostrar que pertencia a ‘communio’ da Igreja, era suficiente para ele estar em comunhão com qualquer outra igreja da ‘communio’. Em uma passagem citada acima, Optao de Milevi disse: “Se você tem um deles, então através desse você está em comunhão com os outros anjos [bispos] e através dos anjos com as igrejas, … e através das igrejas com a gente” [O Cisma Donatista, II, 6. PL 11.959]. Portanto, era suficiente se alguém estivesse em comunhão com o bispo de Gubbio, ou Calama, ou Cízico; pois se um deles pertencesse à comunhão universal, através dele um estaria em comunhão com toda a Igreja. Mas se tornou duvidoso se o bispo de Cízico pertencia ao comunicado; comunhão com ele não era mais de valor. O bispo de Cízico deve primeiro mostrar que ele realmente pertencia à comunhão de toda a Igreja. A partir disso, vemos a necessidade prática de um critério pelo qual se poderia identificar se um determinado bispo pertencia a ‘communio’ universal ou não. O critério mais simples foi o de um grande número de bispos. Se alguém estivesse em comunhão com centenas de outros bispos em todo o mundo, a comunhão seria genuína, mesmo que um bispo individual se recusasse a conceder a comunhão. Esse critério impressionante e de fácil compreensão era frequentemente usado, especialmente entre os gregos. Santo Atanásio, São Basílio e outros, geralmente exibem nomes de todo o Império Romano para mostrar que eles estão na verdadeira comunhão da Igreja. Ninguém perguntou precisamente quantos constituíam a maioria, já que não se tratava de contar cabeças, mas simplesmente de mostrar que se possuía uma maioria esmagadora. Outro critério foi a união com as igrejas antigas fundadas pelos próprios apóstolos. Este critério foi frequentemente aplicado na África contra os donatistas. Como havia centenas de bispos donatistas na África no século V, o critério da esmagadora maioria não era tão impressionante. Agostinho, portanto, desafiou os donatistas a direcionar suas reprovações não apenas contra o bispo de Cartago ou de Roma, “mas também contra as igrejas de Corinto, Galácia, Éfeso, Tessalônica, Colossos e Filipos, a quem, como sabem, o apóstolo Paulo escreveu; ou contra a igreja de Jerusalém, onde o apóstolo Tiago foi o primeiro bispo; ou contra a de Antioquia, onde os discípulos foram chamados cristãos pela primeira vez. ”[Contra Cresconius, II, 37, 46. PL 43, 494] Esse critério já havia sido empregado por escritores eclesiásticos anteriores contra os gnósticos e outros hereges primitivos, quando a questão era menos a unidade da Igreja do que o caráter inviolável do depósito da fé. Assim, Irineu disse: “Quando surgirem diferenças em qualquer questão, não devemos recorrer às igrejas mais antigas onde os apóstolos moravam e aprender com elas uma resposta certa para a questão em disputa?” [Adversus Hereses, III, 4, 1. PG 7, 855]. E Tertuliano escreveu: “É claro que todo ensino que concorda com o das igrejas apostólicas, de onde a fé se originou como mãe, deve ser julgado verdadeiro. Pois não há dúvida de que essas igrejas o receberam dos apóstolos, os apóstolos de Cristo e Cristo de Deus. . . Estamos em comunhão com as igrejas apostólicas e nosso ensino não deve diferir dos deles. Esse é o testemunho da verdade”. [Prescrição contra os hereges, 21. PL 2, 38] Este tipo de critério era facilmente aplicável em situações onde uma boa quantia de informação e concordância era compartilhado por ambos os lados. Nestes casos não havia a necessidade de recorrer a um critério último nem de explicar como que uma Igreja em particular na qual não havia disputado pertencia à communio. Mas quando uma explicação definitiva era dada , inevitavelmente havia-se de falar da comunhão com Roma. Optatu escreveu sobre o bispado romano: “Siricius sucedeu Damasus e agora é nosso bispo. Através dele, o mundo inteiro é um conosco na mesma comunhão através da troca de cartas de comunhão ”[The Donatist Schism, II, 3. PL 11, 949]. Optatus fala aqui do commercium formatorum … para deixar claro aos donatistas através desta instituição que a lista decisiva de bispos é a mantida pela igreja romana. Uma igreja em comunhão com Roma está em comunhão com toda a Igreja Católica. Em princípio, é claro, isso seria dito de qualquer igreja legítima como o próprio Optatus disse na passagem que citamos sobre os “anjos” das igrejas. Para provar ser membro da comunhão universal, bastava que uma igreja em particular mostrasse que estava em comunhão com alguma outra igreja que, por sua vez, estava em comunhão com as outras. Isso, é claro, poderia dar ínicio a uma cadeia de demonstrações – mas isso terminou com a comunhão com Roma. Quando Optatu escreveu que, através da igreja de Roma, ele estava em comunhão com o mundo inteiro, ele sabia muito bem que poucas igrejas não estavam em comunhão com Roma. Ainda assim, ele falou do “mundo inteiro”. Communio com Roma era simplesmente a comunhão por excelência e uma igreja que não compartilhava essa comunhão simplesmente não era reconhecida..

Continua

0 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page