top of page

Bispo conservador do Texas é demitido pelo Papa Francisco

Dom Joseph E. Strickland é mais um bispo, entre uma série de outros bispos e congregações conservadoras, que é forçado a sair por ter uma linha teológica diferente do Papa Francisco. Leia também ao final da matéria a entrevista concedida por Strickland mostrando seu lado dos fatos.

Por Infovaticana

A Santa Sé anunciou que “o Santo Padre exonerou Dom Joseph E. Strickland da pastoral da Diocese de Tyler (EUA) e nomeou o Bispo de Austin, Dom Joe Vásquez, como Administrador Apostólico da Diocese vaga”.

Mais uma vez, a sinodalidade é notória pela sua ausência e o Papa fez mais uma vez uso do seu poder absoluto para se livrar de um bispo fiel à doutrina e ao Magistério da Igreja Católica. Um caso que lembra o que aconteceu no ano passado com o bispo de Arcebispo, dom Daniel Fernández, a quem o Vaticano forçou a renunciar.

De acordo com a imprensa norte-americana, “o Papa Francisco pediu formalmente ao bispo Strickland para se demitir, num pedido que chegou através do núncio papal, cardeal Christopher Pierre. Strickland recusou esse pedido, mas agora – por ordem direta do papa – ele está deixando sua sé diocesana”.

Demissão arbitrária

O papa Francisco, apoiado pelo prefeito do Dicastério para os Bispos, Robert Prevost, e pelo núncio nos Estados Unidos, Christophe Pierre, mostrou mais uma vez que no Vaticano há dois pesos e duas medidas.

Enquanto agem sem piedade e sem misericórdia contra bispos fiéis à doutrina, a Missa Tradicional ou movimentos considerados conservadores dentro da Igreja, o outro extremo eclesiástico que proclama heresias, que ataca abertamente a doutrina e o Magistério ou se são amigos do Papa como o ex-jesuíta Rupnik, não só gozam de total impunidade, eles são até promovidos dentro da Igreja.

Enquanto Daniel Fernández, ex-bispo de Arecibo (Porto Rico) está sendo convidado a renunciar e Strickland está sendo removido diretamente do cargo, o papa não se atreve a remover nenhum bispo alemão herético ou mesmo se permite apoiar cardeais heterodoxos como Hollerich ou flertar com grupos LGBT que não defendem a doutrina católica nessas questões.

A situação atual é terrível e a Santa Sé não deu nenhuma razão concreta para se livrar do bispo Joseph Strickland. Como já dissemos, a Visitação Apostólica que o bispo recebeu na diocese foi quase uma mera formalidade – ou a desculpa – de ter algo a que se agarrar para exigir sua renúncia.

Declaração do Cardeal DiNardo

A notícia da demissão do bispo de Tyler correu o mundo e transcendeu a imprensa religiosa. Isso é incomum. Até o Vatican News – a mídia oficial do Vaticano – noticiou essa situação e tentou explicá-la garantindo que “a decisão veio após a visita apostólica ordenada pelo papa em junho passado na diocese de Tyler e confiada a dois bispos americanos”.

Por sua vez, o cardeal Daniel DiNardo, arcebispo de Houston, emitiu uma nota na qual diz que em junho deste ano Francisco ordenou a realização de uma Visitação Apostólica na Diocese de Tyler. “O bispo Dennis Sullivan de Camden e o bispo emérito Gerald Kicanas de Tucson foram nomeados para conduzir a Visitação. Os prelados conduziram uma investigação completa sobre todos os aspectos da governança e liderança da Diocese de Tyler por seu Ordinário, Bispo Joseph Strickland.”

DiNardo explica que “como resultado da Visitação, foi recomendado ao Santo Padre que a continuação do bispo Strickland no cargo não era viável. Após meses de cuidadosa consideração pelo Dicastério para os Bispos e pelo Santo Padre, chegou-se à decisão de pedir a renúncia do bispo Strickland. Depois de receber esse pedido em 9 de novembro de 2023, o bispo Strickland se recusou a renunciar ao cargo. Posteriormente, em 11 de novembro de 2023, o Santo Padre removeu o bispo Strickland do cargo de bispo de Tyler.

Por fim, ele pede que “mantenhamos o bispo Strickland, o clero e os fiéis da diocese de Tyler e o bispo Vasquez em nossas orações”.

O apoio de Müller e Schneider

Durante esses meses difíceis para o bispo Strickland, ele teve o apoio explícito do cardeal Müller e do bispo Athanasius Schneider.

Müller, falando à imprensa alemã Kath.net em setembro, disse que “o que está sendo feito com o bispo Strickland é terrível, um abuso do direito divino do episcopado”. O cardeal alemão expressou publicamente seu apoio a Joseph Strickland, cuja diocese foi recentemente alvo de uma investigação do Vaticano, e o aconselhou que “ele não deveria renunciar porque então poderiam lavar as mãos de sua inocência”.

Por sua vez, o LifeSiteNews também publicou em setembro a carta que Schneider endereçou ao bispo dos EUA em 2 de agosto, na qual ele mostrou seu apoio à situação preocupante a que está sendo submetido.

O bispo cazaque decidiu levantar a voz contra “o grave abuso do poder papal contra o episcopado, que o atual Pontífice transformou em uma espécie de funcionários, especialmente aqueles bispos que em nossos dias guardam fielmente a fé católica e apostólica”.

Desde o final de agosto, o ex-bispo de Tyler publicou várias cartas pastorais sobre vários assuntos para reafirmar o ensinamento da Igreja sobre o que ele considerava “verdades” que estavam em perigo por causa do Sínodo, do qual ele também foi abertamente crítico ao longo deste tempo.

Motu proprio de 2016

Especialistas e canonistas já falam de um novo ultraje jurídico perpetrado por Francisco contra este bispo, embora saibamos que o direito canônico é usado como Roma quiser de acordo com suas necessidades.

O certo é que Francisco poderia ter contado com a reforma de 2016 do Código de Direito Canônico que ele mesmo fez com o motu proprio “Como uma mãe amorosa”. Nesse documento, Francisco lembrou que o direito canônico já prevê a possibilidade de afastamento do cargo eclesiástico “por motivos graves” e isso também se refere aos bispos diocesanos. Com este Motu Proprio, o Pontífice especificou que entre essas “graves razões” está a negligência dos bispos no exercício de suas funções, em particular em relação a casos de abuso sexual de menores e adultos vulneráveis.

Apesar de se destinar a “demitir” bispos por casos de abuso sexual, a verdade é que a remoção “por motivos graves” é um chamariz que serve para tudo. O quarto artigo diz que, caso a congregação julgue oportuno afastar o bispo, determinará, dependendo das circunstâncias do caso, se emite, no menor tempo possível, o decreto de afastamento ou exorte fraternalmente o bispo a apresentar sua renúncia no prazo de 15 dias. Se o bispo não responder no prazo designado, a Congregação pode emitir o decreto de afastamento.

Strickland não é o primeiro e nem será o último: os expurgos do Papa Francisco

Por ocasião da inexplicável demissão do popular bispo de Tyler, Joseph Strickland, Il Giornale teve a útil ideia de lembrar os nomes daqueles que obstruíram as políticas de Francisco e foram devidamente expurgados.

Assim como o pioneiro dessa lista negra, o bispo paraguaio Rogelio Ricardo Livieres Plano, privado de sua diocese enquanto estava em Roma, apenas um ano após o início do pontificado do papa reinante, em 2014.

A nomeação de um administrador apostólico para a sua sé, a diocese de Ciudad del Este, ocorreu no final de uma visita apostólica e foi motivada por “graves razões pastorais” em nome do “bem maior da unidade da Igreja local”. Livieres, membro do Opus Dei e bispo dissidente da maior parte do episcopado paraguaio, foi pressionado a renunciar e, como Tyler, rejeitou essa opção. Em seguida, tentou se encontrar com Francisco, chamando sua demissão de “uma decisão infundada e arbitrária pela qual o papa terá que responder diante de Deus mais do que diante de mim”. Morreria menos de um ano depois.

Outro caso inexplicável – embora explicável, segundo o modus operandi que se tornou um padrão de conduta – é o mais recente do bispo de Arecibo, em Porto Rico, Daniel Fernández Torres, de apenas 57 anos. Ele também foi convidado a renunciar, ele também rejeitou essa opção. A comunicação de sua demissão não incluiu nenhum motivo, embora aludisse extraoficialmente à sua recusa em fazer “propaganda eclesial” da vacina contra a covid e suas críticas às políticas de gênero.

Em 2021, foi a vez, pela primeira vez, de um arcebispo inteiro de Paris nomeado pelo próprio Francisco em 2014, Michel Aupetit. A imprensa acusou-o de ter tido um caso com uma mulher em 2012 e, embora o prelado tenha rejeitado a acusação, que nunca foi provada, Francisco aceitou a sua demissão. No regresso da viagem à Grécia, o Papa “explicou” que aceitou a renúncia “não no altar da verdade, mas no altar da hipocrisia”. O bispo, aos 72 anos, segue sem cargo.

Mas também houve inúmeras baixas na própria Cúria Romana. Em 2014, o cardeal Raymond Leo Burke, até então prefeito da Suprema Corte da firma apostólica, foi nomeado patrono da Soberana Ordem de Malta aos 66 anos. Desde junho passado, o cardeal americano, um dos homens mais representativos do alinhamento crítico com a linha do atual pontificado, também deixou de exercer esse papel, que na realidade já não desempenhava de fato desde 2017, quando o papa nomeou o então monsenhor Giovanni Angelo Becciu como seu delegado especial.

Este último, um poderoso substituto da Secretaria de Estado, criou um cardeal e depois nomeado prefeito da congregação para as causas dos santos, é outro dos grandes “expurgos” deste pontificado. Em 24 de setembro de 2020, após uma audiência muito dura em que o papa disse ao cardeal sardo que não tinha mais confiança nele porque o gabinete do promotor de justiça o havia informado de possíveis atos de peculato cometidos por ele, Becciu perdeu seu cargo de prefeito e também os direitos relacionados ao cardinalato. Ainda assim, seu nome continua fora da lista de cardeais que participarão de um possível conclave, apesar de ter menos de 80 anos e ser acusado em um processo criminal no Vaticano.

Outro famoso “expurgo” é o cardeal Gerhard Ludwig Müller, antecessor de Ladaria y Fernández à frente da Doutrina da Fé, que perdeu o cargo após cinco anos no cargo, quando não foi renovado. Müller espera por um novo emprego há seis anos.

O caso do bispo de Toowoomba

Esta é a primeira vez que o papa Francisco afasta diretamente um bispo sem que ele renuncie voluntariamente ou forçado por Roma.

A última vez que algo semelhante aconteceu foi em 2011 e Bento XVI o fez, mas por causas radicalmente contrárias às de Francisco. Ratzinger demitiu o bispo australiano de Toowoomba após uma carta pastoral defendendo a ordenação de homens casados e mencionando, sem se pronunciar sobre a ordenação de mulheres, que ele se recusou a renunciar. O papa então emitiu um decreto de remoção. William M. Morris, que levantou uma grande controvérsia, também propôs que os ministros protestantes celebrassem a Eucaristia.

Enquanto Bento XVI demitiu bispos que violaram o depósito da fé, o papa Francisco decidiu seguir o caminho oposto: demitir bispos fiéis à fé e manter no cargo aqueles que criam confusão.

Dom Strickland dá entrevista e conta sua versão dos fatos: destituído por defender o Evangelho contra ‘alguns poderes’

Poucas horas depois ser destituído pelo papa Francisco, o bispo de Tyler, Texas, Joseph Strickland, veio a público e deu sua versão da história.

Strickland disse em entrevista à LifeSiteNews no último sábado (11) por que ele acha que foi destituído.

“Realmente não consigo ver nenhuma razão, exceto que ameacei alguns dos poderes que existem com a verdade do Evangelho”, disse Strickland, que muitas vezes se manifestou nas redes sociais contra o que considera ataques à doutrina da Igreja Católica no pontificado de Francisco.

Strickland também disse que o papa Francisco tem autoridade para removê-lo do governo diocesano, e frequentemente encorajou aqueles que estavam perturbados ou confusos com o desenvolvimento a rezarem pelo papa e a não abandonarem a Igreja.

A entrevista de 30 minutos na mídia não respondeu a várias perguntas importantes na saga de Strickland.

Por que ele foi removido?

Strickland disse que foi convidado a renunciar na última quinta (9), mas que “não poderia, por minha vontade, abandonar o rebanho que me foi dado”.

Essa versão dos acontecimentos é confirmada por uma declaração feita no sábado (11) pelo bispo de Galveston-Houston, o cardeal Daniel DiNardo, metropolita da província eclesiástica que inclui a diocese de Tyler.

Em sua declaração, DiNardo disse que após uma visita apostólica em junho de dois bispos americanos aposentados a pedido da Santa Sé, que incluiu “uma investigação exaustiva sobre todos os aspectos da governança e liderança” de Tyler sob Strickland, uma recomendação foi feita ao papa Francisco que “a continuação no cargo do bispo Strickland não era viável”.

Após meses de deliberação, o bispo do Texas recebeu um pedido de renúncia, e “o papa removeu o bispo Strickland do cargo de bispo de Tyler” quando o prelado recusou o pedido, escreveu o cardeal DiNardo.

As conclusões da visita apostólica não foram publicadas, nem a Santa Sé revelou a razão pela qual Strickland foi destituído do cargo.

Ao ser questionado sobre o que estava por trás da decisão do papa Francisco, Strickland disse: “A única resposta que tenho para isso é porque as forças na Igreja neste momento não querem a verdade do Evangelho”. Ele acrescentou: “Eles querem que isso mude. Eles querem que isso seja ignorado.

Strickland não acusou o papa Francisco de fazer parte deste esforço para minar a doutrina da Igreja, mas disse que “muitas forças estão trabalhando contra ele e o influenciam a tomar esse tipo de decisão”. Para essas “forças”, o bispo disse: “Eu sou um problema”, e então eles pressionaram pela “remoção de um bispo por defender o Evangelho”.

Strickland não foi específico sobre o que implica “permanecer com o Evangelho”, mas provavelmente estava aludindo à sua franqueza e declarações em plataformas de mídia social e eventos públicos.

Strickland tuitou em 12 de maio que rejeitava o que chamou de “programa de minar o depósito da fé” do papa Francisco.

Ele também criticou repetidamente o papa por uma “perigosa” falta de clareza em suas declarações, especialmente relacionadas à sexualidade, e tem sido um crítico do Sínodo da Sinodalidade do papa Francisco.

“Lamentavelmente, pode acontecer que alguns rotulem como cismáticos aqueles que discordam das mudanças propostas”, escreveu Strickland numa carta pública em agosto. “Em vez disso, aqueles que propõem mudanças naquilo que não pode ser mudado procuram comandar a Igreja de Cristo, e eles são de fato os verdadeiros cismáticos”.

As preocupações com a governança diocesana foram levadas em consideração?

Segundo vários relatos da mídia sobre a visitação apostólica de junho e as discussões que se seguiram no dicastério dos Bispos da Santa Sé, os responsáveis ​​da Igreja também estavam preocupados com questões relacionadas com a governação de Strickland na diocese de Tyler. Estas preocupações centravam-se alegadamente em preocupações sobre a rotatividade em grande escala do pessoal diocesano, na contratação de uma ex-religiosa como funcionária do ensino secundário e no apoio a uma comunidade católica em planejamento.

Strickland pareceu abordar essas preocupações indiretamente em sua entrevista à LSN.

“Nenhum lugar é perfeito, nenhuma família é perfeita”, disse ele. “Mas a diocese está em boa forma.”

O bispo citou o alto número de seminaristas da diocese: 21 para uma diocese com menos de 120 mil católicos. Ele também disse que a diocese está em boa situação financeira graças à “tremenda generosidade do povo”.

“Estou muito orgulhoso dos padres e da diocese”, disse Strickland.

Com informações de Infovaticana e ACI Digital

3 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page