top of page

Bispos da África, Ucrânia e Cazaquistão: nenhuma bênção para aqueles que vivem em pecado

As conferências episcopais da Ucrânia, Malawi, Zambia e a diocese de Astana no Cazaquistão reagiram à declaração “Fiducia Supplicans” sobre a bênção a casais em situação irregular e pares homossexuais. “Tal bênção contradiz direta e gravemente a revelação e a doutrina divinas”. Veja abaixo as declarações dos países africanos e também do Cazaquistão e Ucrânia, no final da matéria.

Por Infocatólica

Declaração da Arquidiocese de Santa Maria em Astana sobre a Declaração Fiducia supplicans, publicada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé e aprovada pelo Papa Francisco em 18 de dezembro de 2023

O propósito manifesto da Declaração da Santa Sé, Fiducia supplicans, é permitir “a possibilidade de abençoar casais em situação irregular e casais do mesmo sexo”. Ao mesmo tempo, o documento insiste que tais bênçãos são feitas “sem validar oficialmente seu status ou mudar de qualquer forma o ensinamento perene da Igreja sobre o casamento”.

O fato de o documento não dar permissão para o “casamento” de casais do mesmo sexo não deve cegar pastores e fiéis ao grande engano e maldade que reside na própria permissão para abençoar casais em situação irregular e casais do mesmo sexo. Tal bênção contradiz direta e seriamente a Revelação Divina e a doutrina e a prática ininterruptas e de dois mil anos da Igreja Católica. Abençoar casais em situação irregular e casais do mesmo sexo é um grave abuso do Santíssimo Nome de Deus, uma vez que este nome é invocado sobre uma união objetivamente pecaminosa de adultério ou atividade homossexual.

Portanto, nenhuma, nem mesmo a mais bela das declarações contidas nesta Declaração da Santa Sé, pode minimizar as consequências destrutivas e de longo alcance resultantes desse esforço para legitimar tais bênçãos. Com tais bênçãos, a Igreja Católica torna-se, se não na teoria, na prática, uma propagandista da “ideologia de gênero” globalista e ímpia.

Como sucessores dos Apóstolos, e fiéis ao nosso solene juramento por ocasião da nossa consagração episcopal “de preservar o depósito da fé na pureza e na integridade, de acordo com a Tradição sempre e em toda a parte observada na Igreja desde o tempo dos Apóstolos”, exortamos e proibimos os sacerdotes e fiéis da Arquidiocese de Santa Maria em Astana de aceitar ou realizar qualquer forma de bênção de casais em situação irregular e casais homoafetivos. Escusado será dizer que qualquer pecador sinceramente arrependido com a firme intenção de parar de pecar e pôr fim à sua situação pública de pecado (como, por exemplo, a coabitação fora de um casamento canonicamente válido, a união entre pessoas do mesmo sexo), pode receber uma bênção.

Com sincero amor fraterno, e com todo o respeito, dirigimo-nos ao Papa Francisco, que, ao permitir a bênção de casais irregulares e casais do mesmo sexo, “não anda retamente segundo a verdade do Evangelho” (Gl 2,14), para tomar emprestadas as palavras com que São Paulo Apóstolo admoestou publicamente o primeiro papa em Antioquia. Por isso, no espírito da colegialidade episcopal, pedimos ao Papa Francisco que revogue a permissão para abençoar casais irregulares e casais do mesmo sexo, para que a Igreja Católica resplandeça claramente como “pilar e fundamento da verdade” (1Tm 3,15) para todos aqueles que sinceramente procuram conhecer a vontade de Deus e, Cumprindo-a, alcança a vida eterna.

Astana, 19 de dezembro de 2023

+ Tomash Peta, Arcebispo Metropolitano da Arquidiocese de Santa Maria em Astana + Athanasius Schneider, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Santa Maria em Astana

Zâmbia e Malawi: Bênção de casais do mesmo sexo proibida “por razões pastorais”

As conferências episcopais, primeiro no Malawi e depois na Zâmbia, emitiram esclarecimentos sobre os “Fiducia Supplicans“. A Declaração aprovada pelo Papa Francisco, pela qual durante dois dias é permitida a bênção de casais, não pessoas, de casais homossexuais, ao contrário do que decretou há dois anos. Até então você não poderia abençoar o pecado e sempre poderia abençoar o pecador.

Agora, Tucho inventou algumas bênçãos de “baixo custo” que permitem isso. Sim, sim, além de qualquer ritualização e imitação do casamento, e o Vaticano sustenta que a doutrina sobre o casamento não muda, bênção não significa aprovar a união e tudo isso, a palavrinha do Menino Jesus. Como podemos ver, James Martin, SJ, consultor, intérprete e próximo do Papa Francisco, orgulha-se de “seguir” a nova Declaração do Vaticano. Não lhe faltou tempo:


Eles são “casados”, um deles é “professor de teologia” em uma universidade católica e especializado em promover o pensamento LGBT. Gostam de nudismo, de tirar fotos em bailes e de se vestir de mulher. Como esperado, a foto divulgada cumpre todos os requisitos de Tucho que nos garante que as bênçãos são para pessoas que não fingem que…

Não se preocupe, não é o arcebispo Strickland, nem ele celebra o Vetus Ordo, nada vai acontecer.

A justificativa para as bênçãos são as “razões pastorais”, que como “misericórdia” ou “sinodalidade” adquiriram conotações indesejadas na linguagem eclesiástica e podem fazer parte do legado do papa Francisco.

Pelas mesmas razões pastorais dos “Fiducia Supplicans“, a Conferência Episcopal do Malawi emitiu ontem um esclarecimento aos fiéis que lhes foram confiados:

“Para evitar confusão entre os fiéis, afirmamos que, por razões pastorais, bênçãos de qualquer tipo para uniões entre pessoas do mesmo sexo de qualquer tipo não são permitidas no Malawi.”

decretam os bispos deste país africano, onde um terço da população é católica, e a maioria de seus compatriotas são cristãos de outras denominações.

Acrescentam que:

“A declaração [Fiducia Supplicans] diz que ritos e orações que possam criar confusão entre o que constitui o casamento e o que o contradiz não são permitidos.”

E eles entendem o que todo católico entendia até agora, que todos, seja em uma relação homossexual ou em uma relação extraconjugal (também conhecida como “irregular”), seja adultério ou concubinato, já poderiam ter acesso às mesmas bênçãos populares que sempre foram concedidas a qualquer um que o pedisse e que nada de peculiar ou especial deveria ser estabelecido para eles. O pecador foi abençoado, sempre foi. Não ao pecado, como a Congregação para a Doutrina da Fé recordou formalmente há dois anos.

É claro que eles dedicam grande parte de sua declaração a explicar que isso certamente não tem nada a ver com o casamento entre pessoas do mesmo sexo, nem com seu reconhecimento.

A da Zâmbia é mais mollar (um terço de católicos, 95% de cristãos), e além de explicar a diferença entre bênçãos e reafirmar a doutrina da Igreja esclarece e decreta (assinado por todos os bispos):

a) A Declaração Fiducia supplicans não é e não deve ser entendida como um endosso às uniões homoafetivas, mas sim como uma resposta ponderada a inúmeras perguntas sobre a possibilidade de conceder a bênção a casais do mesmo sexo (Fiducia supplicans, 2). Daí o título do documento: “O Significado Pastoral das Bênçãos”. b) Com base na Sagrada Escritura, que apresenta os atos homossexuais como atos de grave depravação (Gn 19,1-29; Rm 1:24-27; 1 Cor 6,10; 1 Tm 1,10), a Conferência reafirma o ensinamento tradicional da Igreja, que declara que “os atos homossexuais são intrinsecamente desordenados e contrários à lei natural”. Portanto, “em nenhuma circunstância podem ser aprovados” (Cf. Posição da Conferência Episcopal Zâmbia sobre a homossexualidade na Zâmbia, 29 de setembro de 2022). Para evitar qualquer confusão e ambiguidade pastoral, bem como para não infringir a lei do nosso país, que proíbe uniões e atividades entre pessoas do mesmo sexo, e enquanto ouve a nossa herança cultural que não aceita relações entre pessoas do mesmo sexo, a Conferência orienta que a Declaração do Dicastério para a Doutrina da Fé, de 18 de dezembro de 2023, sobre a bênção de casais do mesmo sexo deve ser tomada para uma reflexão mais aprofundada e não para aplicação na Zâmbia.

E conclui:

Para concluir, a Conferência deseja convidar vivamente todos os envolvidos nas uniões entre pessoas do mesmo sexo a enveredarem pelo caminho da conversão com maior confiança na misericórdia e no amor de Deus. na misericórdia e no amor de Deus, cujos «olhos estão fixos num homem de espírito humilde e contrito»(Is 66, 2).

Onde vamos chegar? Bem, eu não sei. Mas não descarto que o dia 18 de dezembro de 2023 seja uma data muito importante na história da Igreja.

Por um lado, para satisfazer certas correntes liberais que estão a caminho de desaparecer, os católicos mais enraizados em Cristo foram ignorados. O Ocidente decadente foi escolhido e a África florescente foi desprezada.

Como foi o caso do comissário do Papa, cardeal Kasper, no Sínodo sobre a Família, “os pretos” foram desprezados.

Com a Amoris Laetitia, não foi direto. E, no entanto, o Vaticano teve que enviar o cardeal Parolin à Polônia para impedir que a Conferência Episcopal fizesse sua própria interpretação do texto.

Desta vez, eles podem não ter medido o suficiente. Se o que aconteceu na Zâmbia e no Malawi se espalhar rapidamente e houver mais alguns “esclarecimentos” das Conferências Episcopais, o cisma, quase formal, que ocorreu na Comunhão Anglicana com o GAFCON, e quase pela mesma razão, pode ser reproduzido.

O fim arrogante da Declaração pode ser o seu túmulo:

41. O que foi dito nesta Declaração a respeito das bênçãos dos casais do mesmo sexo é suficiente para orientar o discernimento prudente e paternal dos ministros ordenados a esse respeito. Portanto, além das indicações acima, não se pode esperar outras respostas sobre como regular os detalhes ou praticidades desse tipo de bênção.

O cristianismo na África não está enraizado apenas nas Escrituras e, no caso católico, na Tradição e no Magistério. Só que o sentido do sagrado deles é muito diferente. Provavelmente para aqueles que emitiram e apoiam esta Declaração, uma “bênção” é um simples “bom dia”. Para muitos africanos é uma ação litúrgica, ritual ou não.

Depois, há a nuance de “ecumênico”, as diferentes confissões cristãs nesses países são, portanto, cristãs. Veremos o que acontece em outras áreas, como a Europa Oriental, com grande influência ortodoxa.

Mas o dia 18 de dezembro também marcará a história de muitos que estão tentando justificar e branquear a situação. Todos vão ter que responder pelas ações desses dias. Muitos padres e bispos (a nível pessoal) e movimentos e ordens (a nível institucional) vão ser marcados. E não para melhor.

Rezemos…

Lembro-me do que Bento XVI escreveu em 2015 a Vladimir Palko em uma carta pessoal:

“Vemos como o poder do Anticristo está se expandindo, e só podemos orar para que o Senhor nos dê pastores fortes que defenderão Sua igreja nesta hora de necessidade do poder do mal.”

Rezemos…

Comunicado da Conferência Episcopal Ucraniana sobre a Declaração do Dicastério da Doutrina da Fé “FIDUCIA SUPPLICANS” sobre o significado pastoral das bênçãos.

O documento do Dicastério da Doutrina da Fé do Vaticano examina os diferentes tipos de bênçãos que podem ser dadas pelo clero fora da liturgia. O documento também enfatiza que somente aqueles que querem viver uma vida agradável a Deus e pedir uma bênção podem ser abençoados liturgicamente. Em vez disso, expande a compreensão da bênção extralitúrgica, que geralmente é dada a todas as pessoas, introduzindo a possibilidade de “abençoar casais do mesmo sexo”. É essa possibilidade que tem causado uma tempestade de reações e mal-entendidos sobre as questões morais e doutrinárias na Igreja Católica em relação a esse tipo de bênção.

Isso ocorre porque o conceito de “bênção” é percebido por muitos como “permissão”, especialmente como “permissão para pecar”. Embora todo o documento deixe claro que não há “permissão” ou “bênção” para a coabitação homossexual ou qualquer vida de pecado, nem qualquer mudança no ensinamento tradicional da Igreja sobre o casamento, a noção de bênção de casais do mesmo sexo, ou mesmo casais sacramentalmente irregulares, pode ser percebida como uma legalização dessas relações.

O documento procura enfatizar o amor ilimitado de Deus por todas as pessoas, pecadores incluídos, e a este respeito mostrar que a Igreja não rejeita essas pessoas, ou seja, aquelas com tendências homossexuais ou mesmo ações. No entanto, parece que o texto não mostra claramente a distinção entre a pessoa e seu modo, a aceitação misericordiosa da pessoa e a desaprovação expressa de seu pecado.

Ao mesmo tempo, o documento se concentra principalmente em duas categorias de pessoas: aqueles que vivem em relações sacramentalmente irregulares (homens e mulheres) e casais do mesmo sexo. Assim, o documento trata igualmente a situação dos casais masculino-femininos sacramentalmente irregulares e dos casais homoafetivos. Ambas as situações são gravemente pecaminosas, no entanto, precisam ser tratadas separadamente.

Vemos perigo em formulações ambíguas que causam interpretações divergentes entre os fiéis. O que percebemos como falta no documento é que o Evangelho chama os pecadores à conversão, e sem um chamado para deixar a vida pecaminosa dos casais homossexuais, a bênção pode parecer uma aprovação. No entanto, ressaltamos que o documento reiteradamente enfatiza que a bênção de casais do mesmo sexo não é de forma alguma uma legalização dessa coabitação, e o ensinamento da Igreja Católica sobre o sacramento do matrimônio, que é a união de um homem e uma mulher, permanece inalterado.

Conferência dos Bispos Católicos Romanos da Ucrânia

0 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Comentários


bottom of page