top of page

Vaticano intervém no Caminho Sinodal Alemão

Rezemos pela Santa Igreja! 🙏

O prefeito do Dicastério para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, cardeal Arthur Roche, manifestou-se contra duas resoluções litúrgicas tomadas pelo Caminho Sinodal Alemão que buscam permitir que os leigos possam batizar regularmente e pregar homilias na Missa em igrejas de todo o país.

Em uma carta ao presidente da Conferência Episcopal Alemã (CEA), Mons. Georg Bätzing, datada de 29 de março, o cardeal Roche esclarece que nenhuma resolução é possível, apesar do fato de que pelo menos uma diocese alemã já havia anunciado ambas as práticas.

A intervenção escrita da autoridade vaticana – cujo conteúdo foi corroborado pela CNA Deutsch, a agência de língua alemã do Grupo ICA – tem sete páginas e também lembra aos bispos alemães que as traduções litúrgicas devem ser confirmadas e aprovadas pela Santa Sé. Catequese em vez de homilias

Em sua carta, o Cardeal Roche ressalta que não se trata de alcançar “uma melhor preparação teológica ou melhores habilidades de comunicação por parte dos leigos (homens ou mulheres)” e depois permitir que eles preguem.

“Também não se trata de criar desigualdades entre os batizados, mas de reconhecer que há distinções feitas pelo Espírito, que produz carismas diferentes, distintos e complementares”, acrescenta.

O cardeal afirma que leigos bem formados devem contribuir, por exemplo, como catequistas ou conduzindo conversas sobre a Sagrada Escritura.

No entanto, recorda, os leigos não podem pregar a homilia na Missa, uma vez que apenas alguém ordenado “sacramentalmente representa Cristo em virtude da sacra potestas (poder sagrado) que lhe foi conferido na ordenação”.

Explicando que a questão da pregação na Missa é uma questão sacramental e não educacional, o Cardeal Roche também adverte sobre “mal-entendidos” sobre “a figura e a identidade do sacerdote, que é o único que pode agir in persona Christi capitis (na pessoa de Cristo, cabeça da Igreja) em virtude do sacramento”.

Os leigos só batizam em casos de emergência

O prefeito do Dicastério para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos também rejeita a intenção de os leigos administrarem regularmente os batismos, uma prática já realizada em algumas dioceses alemãs. O cardeal indica que justificar isso argumentando, por exemplo, a falta de sacerdotes não é possível sob o direito canônico.

O Cardeal Roche também explica que os leigos só podem administrar validamente os batismos em circunstâncias excepcionais, como em perigo de morte ou “em situações dolorosas de perseguição”, ou “em áreas de missão e em outros casos de necessidade especial”.

Chamado Papal para a Unidade

Em sua carta, o Cardeal Roche lembra aos bispos alemães a carta de 2019 do Papa Francisco com a seguinte citação: “A Igreja universal vive nas e das Igrejas particulares, assim como as Igrejas particulares vivem e florescem na e da Igreja universal, e se estão separadas de todo o corpo eclesial, elas são enfraquecidas. murcham e morrem”.

Em uma primeira reação, um porta-voz da Conferência Episcopal Alemã disse na quinta-feira que os bispos continuariam a buscar o diálogo com Roma sobre essas questões.

No início deste mês, um grupo de bispos alemães anunciou planos para implementar várias resoluções aprovadas pelo Caminho Sinodal.

Dom Franz-Josef Bode, de Osnabrück, então vice-presidente do Episcopado, afirmou que os leigos podiam batizar crianças e pregar “regularmente” homilias em sua diocese.

Cerca de uma semana depois, em 25 de março, a Santa Sé anunciou que o Papa Francisco havia aceitado a renúncia de Mons. Bode.

Traduzido e adaptado pela equipe da ACI Press. Publicado originalmente na CNA.

Proposta do Caminho Sinodal Alemão provoca escândalo e confusão

O cardeal Marc Ouellet, prefeito do Dicastério dos Bispos do Vaticano, advertiu que a proposta do Caminho Sinodal da Igreja na Alemanha prejudica a Igreja, causa escândalo e semeia dúvidas e confusão.

Com uma apresentação intitulada “Voltando ao espírito dos Atos dos Apóstolos”, o Cardeal dirigiu-se aos bispos da Alemanha em 18 de novembro, como parte de sua visita ad limina ao Vaticano.

No texto publicado em 24 de novembro no jornal do Vaticano, o cardeal Ouellet disse que as propostas para o controverso Caminho Sinodal “levantam sérias dificuldades do ponto de vista antropológico, pastoral e eclesiológico”.

Depois de notar que mais de um alertou para um “cisma latente” no Caminho do Sínodo, o cardeal advertiu que estes parecem surgir “da pressão cultural e midiática muito forte”.

O Caminho Sinodal é um controverso processo plurianual que começou em dezembro de 2019.

Bispos e leigos participam dela para abordar questões como o exercício do “poder”, a moral sexual, o sacerdócio e o papel das mulheres na Igreja, questões sobre as quais eles expressaram, publicamente e várias vezes, posições contrárias à doutrina católica.

Essas posições levantaram várias acusações de heresia e temores de cisma.

O cardeal disse aos bispos da Alemanha que “é surpreendente que a agenda de um grupo limitado de teólogos de algumas décadas atrás seja agora a proposta majoritária do episcopado alemão”.

Este grupo, lamentou o cardeal, promove a “abolição do celibato, a ordenação de viri probati (N.d.R: homens recém-casados), o acesso das mulheres ao ministério ordenado, a revalorização moral da homossexualidade, a limitação estrutural e funcional do poder hierárquico, a consideração da sexualidade inspirada na teoria de gênero, mudanças importantes propostas no Catecismo da Igreja Católica, etc.”.

O Cardeal Ouellet disse que “ao avaliar o conjunto das propostas, temos a impressão de nos encontrarmos não apenas com uma interpretação mais ampla da disciplina ou moralidade católica, mas com uma mudança fundamental que levanta sérias preocupações”.

Dúvida, confusão e escândalo

O cardeal também disse que as propostas do Caminho do Sínodo, que também incluem a bênção de casais gays, apesar da proibição explícita do Vaticano, “ferem a comunhão eclesial porque semeia dúvida e confusão no povo de Deus”.

“Recebemos todos os dias testemunhos espontâneos que lamentam o escândalo causado aos pequenos por esta proposta inesperada em ruptura com a tradição católica”, lamentou o prefeito do Dicastério dos Bispos.

Depois de recordar que cada bispo deve ser et sub Petro, isto é, com o Papa e sob sua autoridade, o cardeal lamentou que os bispos alemães não tenham aceitado a carta de 2019 do Papa Francisco como um “guia para o método sinodal”, mas apenas como uma “referência espiritual”, de modo que “agora as consequências são vistas”.

Em 29 de junho de 2019, o Papa Francisco enviou uma carta à Igreja Católica na Alemanha, na qual garante que compartilha sua preocupação com o futuro, adverte sobre a “decadência da fé” e encoraja a não assumir a situação atual com “passividade ou resignação”, e também exorta a intensificar a “oração, penitência e adoração”.

Em sua apresentação, o cardeal também disse aos bispos alemães que “a atitude tomada em relação à decisão definitiva de São João Paulo II sobre a impossibilidade de a Igreja Católica prosseguir com a ordenação sacerdotal de mulheres”, estabelecida em 1994 na carta apostólica Ordinatio Sacerdotalis é surpreendente.

Nesse texto, o Santo Papa declarou que ” a Igreja não tem de modo algum a faculdade de conferir a ordenação sacerdotal às mulheres, e que esta decisão deve ser considerada definitiva por todos os fiéis da Igreja”.

Moratória da Trilha Sinodal

O cardeal disse aos bispos alemães no Vaticano que, devido às tensões e circunstâncias atuais, “achamos necessária uma moratória sobre as propostas apresentadas e uma revisão substancial a partir de então, à luz dos resultados do Sínodo Romano” sobre a sinodalidade, cuja fase final será realizada em 2023 e 2024 em Roma.

“A razão fundamental para esta moratória é a preocupação pela unidade da Igreja, sustentada pela unidade dos bispos em comunhão com Pedro”, disse o prefeito do Dicastério dos Bispos.

“Apoiar esta proposta controversa de um episcopado em dificuldade geraria mais dúvida e confusão entre o povo de Deus”, disse ele.

0 visualização0 comentário

Comments


bottom of page